Os chutes dos bebês significam mais do que você imagina

Movimentos fetais podem ser a criação de um mapa mental pelo bebê

Os chutes do bebê na barriga da mãe é um dos momentos mais emocionantes da gestação. A maioria das pessoas pensa que o bebê está apenas se mexendo despretensiosamente. Porém, os movimentos fetais revelam razões bastante complexas: a futura criança pode estar mapeando seu próprio cérebro para que possa saber qual parte do corpo está se movendo e como ela está sendo tocada.

A descoberta, feita pelos cientistas da Universidade de Londres e publicada na revista Nature, afirma que o mapeamento espacial acontece apenas enquanto o bebê está dentro do útero, perdendo a razão de ser após o nascimento.

É como se os movimentos preparassem o bebê para a vida fora do útero, dando bases ao sistema neurológico para que construa a complexidade necessária para lidar com os estímulos externos, explica o site Live Science.

“Esses aspectos fundamentais do toque são úteis imediatamente desde o nascimento para habilidades como a amamentação”, disse ao site a doutoranda em neuropsicologia Kimberley Whitehead.

No estudo foram analisados 19 bebês recém-nascidos frutos de parto prematuro ou não. Por meio do mapeamento das ondas cerebrais – ainda impossíveis de serem feitos enquanto estão no útero -, as atividades corporais realizadas durante a fase do sono chamada de REM (movimento rápido dos olhos) revelaram evidências da construção de redes cerebrais, especialmente entre os bebês prematuros, que ainda deveriam estar no útero caso fosse uma gestação regular.

Descoberta ajuda a cuidar de prematuros

Como indicam os resultados, a notícia pode ser animadora para as futuras mães de bebês prematuros, pois pode indicar as maneiras de cuidado pós-parto para assegurar que o recém-nascido encontre condições semelhantes ao útero e prossiga com o desenvolvimento esperado.

Manter o bebê envolto por um cobertor ou aninhado em um berço é algo positivo para seu desenvolvimento, pois cria um ambiente semelhante ao útero materno. Além disso, o momento de sono dos recém-nascidos precisa ser protegido de perturbações, principalmente enquanto estão nos hospitais logo nos primeiros dias após o nascimento.

Por Ariane Alves