Ministério Público Eleitoral pede a cassação de Mauro Carlesse e do vice

Pedido foi feito pelo procurador regional eleitoral Álvaro Manzano por supostas irregularidades durante a Eleição Suplementar. Caso será julgado pelo Tribunal Regional Eleitoral.

O Ministério Público Eleitoral do Tocantins pediu na noite desta terça-feira (4) que o Tribunal Regional Eleitoral casse os mandatos do governador do Tocantins, Mauro Carlesse (PHS) e do vice-governador, Wanderlei Barbosa (PHS). O pedido é do procurador regional eleitoral Álvaro Manzano.

A suspeita da procuradoria é de que o governador tenha comprado apoio político através de emendas parlamentares e convênios durante a Eleição Suplementar no meio do ano. Também há indícios da utilização de bens públicos em campanha eleitoral, pagamentos irregulares de despesas e uso promocional de serviços de caráter social.

No documento, o Ministério Público exemplifica como supostas irregularidades o pagamento de emendas parlamentares para realização de festas, shows e eventos.

O pedido será julgado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins.

O governador informou que respeita o parecer, mas que trata-se somente do posicionamento da instituição. Em nota, ele reafirmou a legalidade das ações de campanha e disse que confia que o resultado do julgamento terá um desfecho positivo para que o Tocantins prossiga em seu trabalho de manutenção da estabilidade política e jurídica.

Carlesse é o atual governador do estado. Ele era presidente da Assembleia Legislativa e assumiu o comando do estado após a cassação de Marcelo Miranda (MDB) em março deste ano. As irregularidades investigadas teriam ocorrido durante a eleição suplementar que escolheu o governador para o mandato tampão. Em outubro, Carlesse foi reeleito para o segundo mandato. (g1)