Fronteira agrícola do Matopiba tem 10 municípios entre os cem maiores produtores do país

Bahia tem seis cidades na lista. Maranhão e Piauí são representados, cada um, por dois municípios. Levantamento PIB do 2016 revelou que 82% dos municípios brasileiros classificados como os maiores produtores do agro cresceram em média 4,4% ao ano entre 2014 e 2016.

Entre os 100 municípios considerados os maiores produtores agropecuários do país estão 10 localizados na fronteira agrícola do Matopiba, formada pelos Estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. A região é responsável por 10% da produção de grãos do Brasil.

A Bahia, com seis cidades, é a líder do ranking regional do Matopiba, conforme a lista divulgada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Os Estados do Piauí e Maranhão têm dois representantes cada. Já o Tocantins não parece na lista.Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) referentes ao PIB (Produto Interno Bruto) Municipal de mais de 5 mil municípios mostram forte crescimento nas principais regiões agrícolas.

Levantamento com base no valor nominal do PIB do 2016 revelou que 82% dos municípios brasileiros classificados como os maiores produtores do agro cresceram em média 4,4% ao ano entre 2014 e 2016.

Quando isolados os 100 maiores produtores agrícolas, o crescimento médio foi de 9,81%, no período. Esses municípios respondem por 7,2% do PIB do país, e por 27,5% do Valor Bruto da Produção (VBP Lavouras).

MUNICÍPIOS DO MATOPIBA

São Desidério, com PIB de R$ 1.488.592, uma queda de 23,48%, está no quarto lugar do ranking nacional, aponta o Mapa. É o melhor colocado da Bahia. Formosa do Rio Preto, com R$ 985.453 (-15,07%) está em décimo lugar. Já Barreiras, com R$ 3.358.643 (0,31%) está em 26º. Na 30ª posição está Correntina, com R$ 1.123.973 (-4,6%). Luís Eduardo Magalhães é o 31º com 3.999.684 e crescimento de 2,26%. Riachão das Neves, com 472.011 e decréscimo de 2,2% está em 51º, fechando a lista da Bahia.

Já Balsas é o município maranhense melhor colocado. Está na 39ª colocação e registrou PIB de R$ 2.293.125, uma redução de 9,38% em relação ao levantamento anterior. Tasso Fragoso, com R$ 489.540 (-21,61%), está na 55ª posição. Já o Piauí é representado no ranking por Baixa Grande do Ribeiro (38º lugar, com R$ 237.930 mil, que representa -29,47% em relação ao ano anterior) e Uruçuí (46º lugar, com R$ 776.188 e -9,81%).

VALOR DA PRODUÇÃO

O levantamento de acordo com o coordenador-geral de Estudos e Análises da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, José Garcia Gasques, combina as informações do IBGE com as da Produção Agrícola Municipal (PAM), referentes às lavouras permanentes e temporárias em 2017. “Trabalho semelhante a este, foi feito em 2016, quando verificou-se que as regiões produtoras agrícolas cresceram entre 2010 e 2013, o dobro da média do país”, lembrou Gasques.

“Em diversos municípios do Nordeste, o valor da produção agropecuária teve acentuada redução em 2017. Isso ocorreu muito fortemente entre os que integram a região chamada Matopiba, considerada importante área de expansão da fronteira agrícola”, disse Gasques.
“Nos estados da Bahia, Piauí e Maranhão, muito afetados pelas secas ocorridas nos últimos anos, a redução de safras foi muito forte ocasionando redução do valor da produção”, afirmou. (Com informações do Mapa)