A cada 40 segundos ocorre um suicídio no mundo

O suicídio é terceira causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos

Dados mundiais indicam que acontece um suicídio a cada 40 segundos, totalizando cerca de 1 milhão de suicídios ao redor do mundo. O intervalo de tempo entre as tentativas de tirar a própria vida são ainda menores: uma a cada três segundos. Já no Brasil, ocorre um suicídio a cada 45 minutos. Segundo Organização Mundial da Saúde (OMS), a faixa etária mais afetada pelo problema é a mais jovem, de 15 a 29 anos, onde é a terceira causa de morte. Entre as crianças e adolescentes de 10 a 14 anos, o suicídio é a sétima causa de morte.

Prevenção

De acordo com Antônio Geraldo da Silva, presidente eleito da Associação Psiquiátrica da América Latina (Apal), medidas preventivas de ajuda e auxílio são extremamente importantes para evitar o suicídio. “É uma maneira de a gente salvar vidas porque 90% dos suicídios poderiam ser evitados se as pessoas tivessem acesso a tratamento e pudessem tratar a doença que leva ao suicídio”, disse.

Ele ainda afirmou que estudos indicam que a maior parte das pessoas que tenta colocar fim à própria vida sofre de algum tipo de transtorno psicológico. A porcentagem de doença mental chega aos 100% entre os indivíduos que alcançam o objetivo.

Fatores de risco

Segundo Jorge Jaber, psiquiatra especialista no tratamento de dependentes químicos, o uso de álcool e drogas é o segundo fator  – depois das doenças psiquiátricas, como ansiedade e depressão -, que leva ao aumento do suicídio. O que faz dele a principal causa evitável de morte.

Um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) mostrou que mais de 30% das vítimas de suicídio apresentavam teor alcoólico no sangue. Outra análise, conduzida pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) constatou que 21% dos indivíduos atendidos no pronto-socorro de Embu das Artes devido a uma tentativa de suicídio tinham ingerido álcool até seis horas antes do ato.

Acredita-se que esse efeito esteja associado ao aumento da impulsividade propiciado pelo consumo de álcool. “Sob efeito do álcool, as pessoas podem apresentar uma diminuição da capacidade de julgamento, do senso crítico e do autocontrole, assim como tendem a adotar comportamentos impulsivos ou violentos”, afirma o psiquiatra Teng Chei Tung, coordenador dos Serviços de Pronto-Socorro e Interconsultas do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP.

Esse efeito pode ser ainda mais evidente em grupos com essa característica mais pronunciada, como os adolescentes. “O cérebro adolescente ainda está em desenvolvido e os efeitos do álcool são mais nocivos nessa idade, com um impacto ainda maior sobre a tomada de decisões e autocontrole”, completa.

Identificar pacientes de risco

É comum que pessoas que cometem suicídio deem alguma indicação de sua intenção. Muitas vezes, elas procuram ajuda de um profissional de saúde antes do ato. De acordo com o estudo realizado pela Unifesp com pacientes atendidos em um pronto-socorro de Embu das Artes, um em cada cinco pacientes que tentaram suicídio passaram por uma consulta médica um mês antes do episódio.

Outra pesquisa, publicada no ano passado na revista científica Australian Prescriber mostrou que muitos indivíduos que passam por tentativas de suicídio haviam visitado seu médico nos meses anteriores ao episódio. Esses dados reforçam a necessidade de profissionais de saúde de diversas áreas aprenderem a identificar pessoas sob risco de tirar a própria vida.

“Enquanto doenças infecciosas, cardiovasculares e tumores precisam de grande aporte médico e cirúrgico de alto custo, o impedimento médico do suicídio pode ser atingido com remédios bem mais baratos e somente conversando com o paciente”, alertou Jaber.

O especialista ressaltou que dar atenção e escutar o indivíduo que está considerando cometer o suicídio é uma atitude fundamental. “Quanto mais as pessoas falarem sobre o suicídio, menos suicídios ocorrerão” ressalta

Converse com alguém

Em muitos países é comum ter linhas de prevenção de suicídio para que as pessoas considerando a alternativa possam se abrir com alguém e falar abertamente sobre medos, anseios e os problemas que as levaram a escolher esse caminho. No Brasil, este trabalho é realizado pelo Centro de Valorização da Vida (CVV) – uma associação civil sem fins lucrativos que trabalha com prevenção ao suicídio.

Para facilitar o atendimento e salvar vidas, desde 1º de julho, as ligações de prevenção de suicídio realizadas para o CVV através do número 188 são gratuitas para todo o Brasil. A assistência, oferecida por voluntários, visa dar apoio emocional para quem quer e precisar conversar. Apesar de não ter formação em psicologia (não é uma exigência), eles recebem treinamento adequado. A discrição também faz parte do serviço, portanto, todas as ligações são sigilosas.

Setembro Amarelo

Na busca pela redução dos casos de suicídio no mundo, a OMS definiu o dia 10 de setembro como o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. No Brasil, há quatro anos, a ABP, em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM), promove o “Setembro Amarelo”, para conscientizar a população sobre a gravidade do problema e melhorar a ajuda a quem precisa.

(Com Agência Brasil)